I Love It Loud

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Tim Maia!!!


 
Sebastião Rodrigues Maia nasceu no Rio de Janeiro RJ em 28 de Setembro de 1942.
Portanto, se estivesse vivo, completaria 70 anos de história!
Penúltimo de 19 irmãos, aos oito anos já compunha suas primeiras musicas.
Aos 14 anos, formou seu primeiro conjunto musical, Os Tijucanos do Ritmo, no qual tocava bateria, e que durou apenas um ano.
Começou a estudar violão num curso particular, e formou em 1957 o conjunto Os Sputniks, que tinha também entre seus integrantes Erasmo Carlos e Roberto Carlos, tendo sido professor de violão de ambos.
Em 1959, antes de completar 17 anos, com a morte do pai, foi para os EUA, onde fez cursos de inglês e iniciou carreira como vocalista, participando de um conjunto chamado The Ideals.
Permaneceu nos EUA ate 1963, quando foi preso por portar maconha. Após seis meses de prisão e dois meses de espera, foi deportado para o Brasil.
Seu primeiro trabalho solo foi um compacto pela CBS em 1968, que trazia as musicas Meu pais e Sentimento (ambas de sua auto- ria, como todas as musicas sem indicação de autor).
Sua carreira no Brasil fortaleceu-se a partir de 1969, quando gravou um compacto simples pela Fermata com These are the Songs (regravada no ano seguinte por Elis Regina em duo com ele, e incluída no LP Em pleno verão, de Elis) e What You Want to Bet.
Em 1970 gravou seu primeiro LP, Tim Maia, na Polygram, que permaneceu em primeiro lugar no Rio de Janeiro por 24 semanas.
Os principais sucessos desse disco foram Coronel Antônio Bento (Luís Wanderley e João do Vale), Primavera (Cassiano) e Azul da cor do mar.
Nos três anos seguintes, pela mesma gravadora, lançou os discos Tim Maia volume II (com Não quero dinheiro (Só quero amar)), Tim Maia volume III e Tim Maia volume IV, no qual se destacaram Gostava tanto de você (Edson Trindade) e Réu confesso.
Em 1975 gravou os LPs Tim Maia racional vol. 1 e vol. 2.
Em 1978 gravou para a Warner Tim Maia Disco Club, com um de seus maiores sucessos, Sossego.
 book5-3

Lançou em 1983 o LP Descobridor dos sete mares, com destaque para a música-titulo e Me de motivo (Sullivan e Massadas).
Outro disco importante da década de 1980 foi Tim Maia (1986), que trazia Do Leme ao Pontal.
Artista com histórico de problemas com as gravadoras, na década de 1970 fundou seu próprio selo, primeiramente Seroma e depois Vitória Regia.
Por ele, lançou em 1990 Tim Maia interpreta clássicos da bossa nova, e mais tarde Voltou a clarear e Nova era glacial.
Em 1993, dois acontecimentos reimpulsionaram sua carreira: a citação feita por Jorge Ben Jor em sua musica W/Brasil e uma regravação que fez de Como uma onda (Lulu Santos e Nelson Mota) para um comercial de televisão, de grande sucesso e incluída no CD Tim Maia, do mesmo ano.
Assim, aumentou muito sua produtividade nesta década, gravando mais de um disco por ano com grande versatilidade: seu repertório passou a abranger bossa nova, canções românticas, funks e souls. Também teve muitas de suas musicas regravadas por artistas jovens, como Paralamas do Sucesso, Marisa Monte e Skank.

Em 1996 lançou dois CDs ao mesmo tempo: Amigo do rei, juntamente com Os Cariocas, e What a Wonderful World, com recriações de standards do soul e do pop norte-americanos dos anos de 1950 a 1970. Em 1997 lançou mais três CDs, perfazendo 32 discos em 28 anos de carreira.

Durante a gravação de um show para a TV sentiu-se mal, vindo a falecer em 15 de Março de 1998 em Niterói, após internação hospitalar em razão de infecção generalizada.

   
Em vida

Póstumos

Álbuns ao vivo

Em vida

Póstumos



Compactos Simples

  • 1968 - Meu País / Sentimento
  • 1969 - These Are the Songs / What Do You Want to Bet
  • 1970 - Jurema / Primavera (Vai Chuva)
  • 1971 - Chocolate / Paz
  • 1976 - Ela Partiu / Meus Inimigos
  • 1978 - Sossego / A Fim de Voltar
  • 1978 - Acenda o Farol / Vitória Régia Estou contigo e não Abro
  • 1980 - Nosso Adeus / Tudo Vai Mudar
  • 1981 - Vê se Decide / Você É a Estrela do meu Show
  • 1982 - Amiga / Do Leme ao Pontal
  • 1983 - Vale Tudo / Quero Ver Você Dançar
  • 1984 - Bons Momentos / Bons Momentos
  • 1984 - Sufocante / Sufocante
  • 1984 - Leva / Leva
  • 1985 - Bem-Vinda / Bem-Vinda
  • 1986 - Uma Estrela a Mais / Uma Estrela a Mais
  • 1986 - Telefone / Telefone
  • 1986 - Pudera / Do Leme ao Pontal
  • 1987 - Onde Está Você / Onde Está Você
  • 1987 - Vê se Decide / Brilho
  • 1988 - Carinhos / Carinhos
  • 1988 - Amigo Verdadeiro / Somos América
  • 1989 - Rodesia (Zimbabwe) / Acenda o Farol

Duplos

  • 1970 - Azul da Cor do Mar, Coroné Antonio Bento, Risos, e Primavera (Vai Chuva)
  • 1972 - Você, Não Quero Dinheiro (Só Quero Amar), A Festa do Santo Reis e Salve Nossa Senhora
  • 1973 - Réu Confesso, Do Your Thing Behave Yourself, Gostava Tanto de Você e Compadre
  • 1976 - Brasil Racional, Do Nada ao Tudo, Minha Felicidade Racional e O Grão Mestre Varonil
  • 1979 - Lábios de Mel, Vou com Gás, Reencontro e Foi para o seu Bem
  • 1984 - Me Dê Motivo, Olá (Emoções), Neves e Parques e O Descobridor dos Sete Mares
  • 1993 - Não Quero Dinheiro

Coletâneas

Participações









segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Sou Ronaldo!!!


   
Ronaldo Luís Nazário de Lima, mais conhecido como Ronaldo, o “Fenômeno“, nasceu no Rio de Janeiro dia 22 de Setembro de 1976.
 
Revelado pelo São Cristóvão, do Rio de Janeiro, Ronaldo fez sua estréia no futebol profissional com 16 anos, em 1993, defendendo o Cruzeiro. Naquele mesmo ano ganhou seu primeiro título, a Copa do Brasil, embora não estvivesse no elenco principal.
 
Em 1994 conquistou o Campeonato Mineiro, do qual foi artilheiro, com 21 gols marcados.
 Convocado por Carlos Alberto Parreira para a Copa do Mundo de 1994, integrou a Seleção Brasileira que foi tetra-campeã no Mundial dos Estados Unidos. Sequer entrou em campo, mas fez parte do grupo vencedor.
 
 
Ainda em 94 ele foi tranferido para o PSV Eindhoven. Marcou 57 gols em 54 partidas e em 1996 conquistou a Copa da Holanda, o segundo título mais importante do país europeu.
 
Nos Jogos Olímpicos de Atlanta 1996, foi medalha de bronze com o Brasil. Após disputar as Olimpíadas, Ronaldo transferiu-se ao Barcelona, da Espanha. Com a camisa 9 do Barça, marcou 17 gols em 20 partidas, conquistou a Supercopa da Espanha, e no final do ano foi eleito melhor jogador do mundo de pela FIFA, pela primeira vez. Com suas grandes atuações no Barcelona ganhou o pelido de El Fenómeno.
 
Em 1997, o Fenômeno foi campeão da Copa América e da Copa das Confederações com a Seleção Brasileira. Com o Barça, venceu a Copa do Rei e a Recopa da Europa, chegando a um total de 49 gols em 47 jogos.
 
Ainda em ’97, Ronaldo foi tranferido à Internazionale (a Inter de Milão), da Itália. Agora usando a camisa 10, novamente foi eleito o melhor jogador do mundo pela FIFA. No ano seguinte, conquistou a Copa da UEFA com a equipe italiana, e foi eleito pela FIFA o melhor jogador da Copa do Mundo França ’98, mesmo com a derrota do Brasil na final contra a dona da casa.
Em 1999 conquistou sua segunda Copa América com a Seleção Brasileira, marcando um dos gols da vitória do Brasil em cima do Uruguai na final.
 
Infelizmente, nesse ano começaram os problemas para Ronaldo, com uma grave contusão no joelho direito, que tirou o jogador dos gramados. Em 2000 ele voltou a jogar, mas no primeiro drible que tentou a lesão se agravou. Ronaldo foi operado passou e por uma lenta recuperação. Voltou a jogar, mas sendo usado esporadicamente.
 
A Seleção Brasileira também passava por maus momentos. Com maus resultados nas Eliminatórias, o Brasil corria o risco de ficar fora da Copa (seria a primeira vez na história).
Felizmente, Luiz Felipe Scolari tomou as rédeas da Seleção e fez o Brasil renascer das cinzas, conquistando o penta-campeonato do mundo, com Ronaldo como uma das principais estrelas. O Fenômeno foi o artilheiro da Copa, marcando os dois gols na final contra a Alemanha.
 
Em Agosto de 2002, foi contratado pelo Real Madrid, onde formou o famoso time dos “Galácticos”, junto a Zinedine Zidane, David Beckham, Luís Figo, Roberto Carlos, Íker Casillas e Raúl González. Com essa super-equipe, vestindo a camisa número 11, venceu a Copa Intercontinental de 2002, e foi eleito o melhor jogador do mundo pela FIFA, pela terceira vez.
Em 2003, venceu o Campeonato Espanhol e a Supercopa da Espanha.
 
Nas temporadas 2004/2005 e 2005/2006, o Real Madrid não fez boas campanhas, deixando os títulos nacionais serem conquistados pelo Barcelona, o rival clássico da equipe merengue.
 
Na Copa do Mundo Alemanha 2006, o Brasil não mostrou bom futebol, e foi eliminado pela França, velha inimiga, nas quartas-de-final. Contudo, Ronaldo balançou as redes três vezes e se tornou o maior goleador das Copas.
 
Voltou para a Itália na temporada 2007/08, mas agora para defender o Milan (arqui-rival da Inter de Milão). Com a camisa 99, jogou ao lado de velhos conhecidos, como Kaká, Cafu, Dida e Clarence Seedorf (foi seu companheiro na Inter de Milão).
 
A temporada era promissora, porém, no dia 13 de Fevereiro de 2008, em jogo contra o Livorno, Ronaldo acabou lesionando o joelho novamente. A temporada 2007/08 encerrou com ele parado e desligado do Milan, que decidiu não renovar com ele.
 
Após sua saída do Milan, Ronaldo manifestou algumas vezes o desejo de defender o Flamengo, time do qual é torcedor declarado. O craque chegou a treinar no clube da Gávea a partir de setembro para recuperar-se da cirurgia no joelho. Contudo, haviam rumores de que ele voltaria ao futebol europeu, , onde havia boatos de sua contratação pelo Manchester City, da Inglaterra, e o Paris Saint-Germain, da França.
 
Na madrugada de 28/04/2008, Ronaldo se envolveu em uma confusão com travestis.
O travesti André Luis Ribeiro Albertino, conhecido como Andréa Albertini (morto em 9 de julho de 2009, em decorrência da AIDS), acusou o jogador de não ter pago por um programa feito em um motel da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Este fato marcou o fim do noivado com Maria Beatriz Antony.
 
Após vários dias treinando na Gávea e sem receber nenhum projeto para ficar no Flamengo, Ronaldo acertou a sua volta ao Brasil, depois de 14 anos, para defender o Corinthians.
 
Ronaldo marcou seu primeiro gol com o Corinthians no clássico contra o Palmeiras, pelo Campeonato Paulista de 2009, na segunda partida pelo Timão.
O técnico Mano Menezes deixou Ronaldo entre os reservas e o colocou no segundo tempo. O Palmeiras vencia por 1 x 0, mas, aos 47 minutos do segundo tempo, o Fenômeno cabeceou a bola pro gol e salvou o Corinthians da derrota. O gol foi notícia em todo o mundo.
 
Acompanhe abaixo no link, o primeiro gol do Fenômeno defendendo o Timão:
 
O Corinthians depois seria campeão do Paulista, com Ronaldo como uma de suas figuras mais importantes, mesmo estando acima do peso ideal. Ainda em 2009, o Fenômeno foi campeão da Copa do Brasil com o Timão. Em 2010, o maior objetivo de Ronaldo e o Corinthians era a Copa Libertadores, mas o time alvinegro foi eliminado pelo Flamengo nas oitavas-de-final.
 
Após a desclassificação precoce na Copa Libertadores de 2011, e após ter sido hostilizado pela torcida corintiana, Ronaldo decidiu anunciar a sua aposentadoria em 13 de fevereiro de 2011. As condições físicas foram o outro fator importante na decisão do Fenômeno, que disse sentir dores no corpo.
Apesar de terminar a carreira em baixa, Ronaldo foi, e sempre será, um dos maiores craques que o futebol já viu.
 
Graças a Deus estive presente na estréia do Ronaldo na cidade de Itumbiara, e também quando ele marcou o primeiro gol com a camisa do Timão.
Foi um dos meus melhores momentos como repórter esportivo, acompanhando a trajetória do Fenômeno em 2009!
 
Obrigado Ronaldo!!!
 
                           

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

The King!!!


                         

Riley Ben King, mais conhecido como B. B. King, nasceu no dia 6 de setembro de 1925, Itta Bena, Mississippi.
É um guitarrista de Blues e cantor estado-unidense. O "B. B." em seu nome significa Blues Boy, seu pseudônimo como moderador na rádio WDIA.

Começou por tocar, a troco de algumas moedas, na esquina da Igreja com a Second Street e chegou mesmo a tocar em quatro cidades diferentes aos sábados à noite.

Hoje é um dos mais reconhecidos guitarristas de Blues da atualidade, sendo por vezes referido como o Rei do Blues.
É bastante apreciado por seus solos, nos quais, ao contrário de muitos guitarristas, prefere usar poucas notas. Certa vez, B.B. King teria dito: "posso fazer uma nota valer por mil".

B. B. King, nasceu em uma plantação de algodão.


Teve uma infância difícil – aos 9 anos, o bluesman vivia sozinho e colhia algodão, trabalho que lhe rendia 35 centavos de dólar por dia. Começou por tocar, a troco de algumas moedas, na esquina da Igreja com a Second Street.

No ano de 1947, partia para Memphis, no Tennessee, apenas com sua guitarra e $2,50 dólares. Como pretendia seguir a carreira musical, a cidade de Memphis, cidade onde se cruzavam todos os músicos importantes do Sul, sustentava uma vasta competitiva comunidade musical em que todos os estilos musicais negros eram ouvidos.

Nomes como Django Reinhardt, Blind Lemon Jefferson, Lonnie Johnson, Charlie Christian e T-Bone Walker tornaram-se ídolos de B. B. King.


A primeira grande oportunidade da sua carreira surgiu em 1948, quando actuou no programa de rádio de Sonny Boy Wiliamson, na estação KWEM, de Memphis.
Sucederam-se atuações fixas no "Grill" da Sixteenth Avenue e mais tarde um spot publicitário de 10 minutos na estação radiofónica WDIA, com uma equipe e direcção exclusivamente negra. "King’s Sport", patrocinado por um tónico, tornou-se então tão popular que aumentou o tempo do transmissão e se transformou no "Sepia Swing Club".

King precisou de um nome artístico para a rádio. Ele foi apelidado de "Beale Blues Boy", como referência à música "Beale Street Blues", foi abreviado para "Blues Boy King" e eventualmente para B. B. King. Por mera coincidência, o nome de KING já incluia a simples inicial "B", que não correspondia a qualquer abreviatura.

Pouco depois do seu êxito "Three O' Clock Blues", em 1951, B. B. King começou a fazer turnês nacionais sem parar, atingindo uma média de 275 concertos/ano.

Só em 1956 B. B. King e a sua banda fizeram 342 concertos!
Dos pequenos cafés, teatros de "gueto", salões de dança, clubes de jazz e de rock, grandes hotéis e recintos para concertos sinfónicos aos mais prestigiados recintos nacionais e internacionais, B. B. King depressa se tornou o mais conceituado músico de Blues dos últimos 40 anos, desenvolvendo um dos mais prontamente identificáveis estilos musicais de guitarra, a nível mundial.

O seu estilo foi inspirador para muitos guitarristas de rock.
Mike Bloomfield, Albert Collins, Buddy Guy, Freddie King, Jimi Hendrix, Otis Rush, Johnny Winter, Albert King, Eric Clapton, George Harrison e Jeff Beck foram apenas alguns dos que seguiram a sua técnica como modelo.


Em 1969, B. B. King foi escolhido para a abertura de 18 concertos dos Rolling Stones.
Em 1970 fez uma turnê por Uganda, Lagos e Libéria, com o patrocínio governamental dos E.U.A.
Começou a participar da maioria dos festivais de Jazz por todo o mundo, incluindo o Newport Jazz Festival e o Kool Jazz Festival New York, e sua presença tornou-se regular no circuito por universidades e colégios.

Em 1989 fez uma tournê de três meses pela Austrália, Nova Zelândia, Japão, França, Alemanha Ocidental, Países Baixos e Irlanda, como convidado especial dos U2, participando igualmente no álbum "Rattle and Hum", deste grupo, com o tema "When Love Comes to Town".

Em 26 de Julho de 1996, B. B. King, aproveitando o fato de ter um concerto agendado para Stuttgart, deslocou-se propositalmente de avião até à base aérea de Tuzla, para atuar perante tropas da Suécia, Rússia, Bélgica e E.U.A., estacionadas na Bósnia num esforço conjunto de manutenção da paz.
No dia seguinte, voou para a base aérea de Kapsjak, para nova atuação junto de tropas norte-americanas. B. B. King confessa: "Foi emocionante atuar para estes homens e mulheres. Apreciamo-los e queremos que eles saibam que têm o nosso total apoio na sua árdua tarefa de manutenção da paz."

B. B. King terminou 1996 com uma turne pela América Latina, com concertos no México, Brasil, Chile, Argentina, Uruguai e, pela primeira vez, no Peru e Paraguai. O "Rei dos Blues" totaliza mais de 90 países onde atuou até hoje.



Ao longo dos anos tem sido agraciado com diversos Grammy Awards: melhor desempenho vocal masculino de Rhythm & Blues, em 1970, com "The Thrill is Gone", melhor gravação étnica ou tradicional, em 1981, com "There Must Be a Better World Somewhere", melhor gravação de Blues tradicionais, em 1983, com "Blues'N Jazz" e em 1985 com "My Guitar Sings the Blues".
Em 1970, "Indianopola Missisipi Seeds" concede-lhe o "Grammy" de melhor capa de álbum.

A Gibson Guitar Co. nomeou-o "Embaixador das guitarras Gibson no Mundo".



Álbuns
  1. King of the Blues (1960)
  2. My Kind of Blues (1960)
  3. Live at the Regal (Live, 1965)
  4. Lucille (B.B. King álbum)|Lucille (1968)
  5. Live and Well (1969)
  6. Completely Well (1969)
  7. Indianola Mississippi Seeds (1970)
  8. B.B. King in London (1971)
  9. Live in Cook County Jail (1971)
  10. Live in Africa (1974)
  11. Lucille Talks Back (1975)
  12. Midnight Believer (1978)
  13. Live "Now Appearing" at Ole Miss (1980)
  14. There Must Be a Better World Somewhere (1981)
  15. Love Me Tender (B.B. King álbum)|Love Me Tender (1982)
  16. Why I Sing the Blues (1983)
  17. B.B. King and Sons Live (B.B. King álbum)|B.B. King and Sons Live (Live, 1990)
  18. Live at San Quentin (1991)
  19. Live at the Apollo (B.B. King álbum)|Live at the Apollo (Live, 1991)
  20. There is Always One More Time (1991)
  21. Deuces Wild (álbum)|Deuces Wild (1997)
  22. Riding with the King (B.B. King and Eric Clapton álbum)|Riding with the King (2000)
  23. Reflections (B.B. King álbum)|Reflections (2003)
  24. The Ultimate Collection (B.B. King álbum)|The Ultimate Collection (2005)
  25. 80 (album)|B.B. King & Friends: 80 (2005)
  26. One Kind Favor (2008)
                        

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Jimi Hendrix!!!


                            
Johnny Allen Hendrix nasceu em Seattle, Washington, no dia 27 de novembro, de 1942.

O seu nome foi posteriormente alterado pelo pai ainda durante a infância para James Marshall Hendrix.
Aos 16 anos começou a tocar violão, participando de um grupo chamado Velvetones.
Aos 17 ganhou do pai uma guitarra elétrica e entrou para o grupo Rocking Kings que mais tarde mudaria de nome para Thomas & The Tomcats.

Jimi resolveu abandonar a escola e entrar para um batalhão de paraquedismo do exército, de onde foi logo desligado em virtude de uma fratura no joelho.
Sem a escola e não podendo mais seguir carreira no exército decidiu se dedicar exclusivamente à música, tocando em bares e clubes com o amigo Billy Cox em uma banda chamada King Kasuals.

Em 1963 Mudaram-se para New York, onde atuou também como músicos de estúdio, gravando e tocando com os Isley Brothers, Jackie Wilson e Sam Cooke.

 Autodidata e canhoto, Hendrix tocava de maneira completamente estranha uma guitarra Fender Stratocaster para destros, com as cordas invertidas.
Revolucionou a maneira de tocar guiatarra, desenvolvendo o uso da alavanca e principalmente dos pedais conhecidos como wha-wha. Mais do que isso colocou a figura do guitarrista como principal personagem nas bandas de rock.
Seus solos e riffs foram uma das principais raízes para o nascimento do heavy metal.


Em 1965, em uma de tantas apresentações ao vivo como acompanhante de bandas diversas, Jimi chamou a atenção de Little Richard, grande astro e pioneiro do rock and roll dos anos 50.
Apesar da excelente recepção por parte do público e da boa química surgida entre o vocalista e guitarrista, o ego imenso de Little Richard não permitiria que um guitarrista talentoso ofuscasse a sua presença no palco.
Com a desculpa de que Hendrix havia perdido o ônibus da banda após um show em Nova York, Little Richard o demitiu, felizmente não antes que alguns dos shows houvessem sido devidamente registrados.

Devido à excelente repercussão de suas performances com Little Richard Jimi consegue um contrato de dois anos com a gravadora Columbia.
Rapidamente deixa de ser figurante e monta sua própria banda, Jimmy James and The Blue Flames.

O jovem guitarrista canhoto chama a atenção não apenas pelos solos imprevisíveis e de estilo inédito até a época, mas também pela extrema habilidade em tocar a guitarra com os dentes ou nas costas.



Chas Chandler, baixista do grupo The Animals, ouve a banda e se impressiona, pede a Jimi para ser seu empresário e passa a divulgar a banda na Inglaterra.
A única condição de Hendrix foi a de que, chegando a Londres, fosse apresentado a Eric Clapton, no que foi prontamente atendido por Chandler.
A admiração entre Hendrix e Clapton foi mútua, apesar dos estilos diferentes.

Mitch Mitchell é chamado para ser o baterista da banda, rebatizada de The Jimi Hendrix Experience.

 Logo gravam três singles, Hey Joe, Purple Haze e The Wind Cries Mary, seguidos de extensa divulgação em rádios e tvs inglesas.

Em abril de 1967 sai o seu primeiro LP, Are You Experienced, um clássico do rock de todos os tempo. Após uma turnê como banda de apoio na Europa fazem sua estréia na America no Monterey Pop Festival na California, logo após seguindo em turnê americana como banda de abertura dos Monkees.

Ainda em 1967 sai o segundo álbum, Axis: Bold as Love, logo seguido por Electric Ladyland (em janeiro de 1968) que continha o hit All Along the Watchtower de Bob Dylan.

 

Segue-se uma fase de muitas participações de Hendrix como músico ou compositor em discos de artistas diversos.
A banda Experience é desfeita e Hendrix monta uma nova banda com Mitch Mitchell, Billy Cox, o segundo guitarrista Larry Lee e os percursionistas Juma Sultan e Jerry Velez.

O novo nome da banda é Gypsy Sons. Logo Mitch Mitchell seria substituído por Buddy Miles e a banda mudaria de nome para Band of Gypsys.

Em 1970 a banda Experience seria reformulada e lançariam The First Rays of the New Rising Sun, logo depois mudando novamente de nome para Cry Of Love.

Em 18 de setembro de 1970 Jimi Hendrix entrou em coma em um quarto de hotel de Londres, sozinho, sendo encontrado desacordado por uma equipe de paramédicos.

A caminho do hospital foi constatada a sua morte em virtude de sufocamento por seu próprio vômito.

 Existem muitas controvérsias sobre a real causa da morte, mas provavelmente Hendrix sofreu uma overdose de pílulas tranquilizantes.



Sepultura de Hendrix no Greenwood Memorial Park.

Discografia

The Jimi Hendrix Experience

Jimi Hendrix/Band of Gypsys

Álbuns póstumos


                      





sexta-feira, 14 de setembro de 2012

O Mito Geraldo Vandré!!!


             

Paraibano de João Pessoa, Geraldo Pedrosa de Araújo Dias nasceu no dia 12 de setembro de 1935.
Em 1951, aos 16 anos, sua família muda-se para o Rio de Janeiro, o que lhe proporcionou uma aproximação com o mundo artístico. Usou o nome de Carlos Dias para a sua apresentação num concurso de cantores no programa de César de Alencar.
Vandré acabou sendo  desclassificado. Em outro teste, realizado na Rádio Nacional, recebeu a nota “medíocre”, dada por Paulo Tapajós.

Em 1955, ainda com o pseudônimo de Carlos Dias (em homenagem ao cantor Carlos José, de quem era admirador) defendeu a canção Menina, de Carlos Lyra, em concurso musical promovido pela TV Rio.

Ainda no Rio, cursou a Faculdade de Direito na Universidade do Distrito Federal. Na UNE, participou do Centro Popular de Cultura (CPC), onde estreitou sua amizade com Carlos Lyra, seu primeiro parceiro musical. Permaneceu, no entanto, por pouco tempo na UNE, por considerá-la muito panfletária.
 
 Seu primeiro trabalho como cantor aconteceu na Rádio Roquete Pinto, em um programa dirigido pelo folclorista Waldemar Henrique, e pela primeira vez foi remunerado como cantor.
 

 A convite de Carlos Lyra foi até São Paulo para participar de um espetáculo musical no Teatro Record.
Foi um show de Bossa Nova do qual participaram Oscar e Iko Castro Neves, Alaíde Costa, Baden Powell, Norma Bengel, Elza Soares, Juca Chaves, Laizinha, Carlos Lyra, entre outros. O ano foi em 1960.
 

Mudou seu nome para Geraldo Vandré. A mudança foi uma forma de homenagear o pai, que se chamava José Vandregísilo de Araújo Dias.

Com o destaque obtido no Teatro Record, Geraldo Vandré foi contratado pela gravadora RGE, pertencente a José Scatena, para gravar um disco 78 rpm.
No lado A do disco está a música Quem quiser encontrar o amor, feita em parceria com Carlos Lyra, e no lado B está Sonho de amor e paz, de Baden Powell e Vinícius de Moraes.

Com Baden Powell, faz Rosa flor, música feita especialmente para Geraldo Vandré colocar a letra. Depois, escreveu também Samba de mudar, Nosso amor, Fim de tristeza e Se a tristeza chegar.

Foi  contratado pela TV Tupi para participar de um programa produzido por Abelardo Figueiredo, para a Norton Publicidade em São Paulo uma vez por mês. No final de 1961, mudou-se, definitivamente, para São Paulo.

Em 1962, liberado do contrato com a RGE, fez dupla com Ana Lúcia e gravou pela Audio-Fidelity a canção Samba em prelúdio, de Baden Powell e Vinícius de Moraes.
Fou um sucesso de vendas e ficou nas paradas por mais de seis meses. A dupla fez tanto sucesso que a direção da Audio-Fidelity propõs que os dois gravassem um LP inteiro juntos.
Vandré, porém, recusou, mesmo sabendo que poderia ter um ótimo retorno comercial. Então buscou um novo gênero para suas canções.

Com o advento do golpe militar, Vandré e outros compositores que possuiam sua origem na bossa nova, sentem cada vez mais a necessidade de fazer uma música mais participativa, que retrate a realidade brasileira. É necessário conscientizar as massas, dar consciência política ao povo.

Sem parceiros em São Paulo, Vandré fez sozinho Canção nordestina e Fica mal com Deus. As duas composições foram gravadas no seu primeiro LP, lançado em 1964 pela Audio-Fidelity.
Na mesma época, assinou contrato de exclusividade com a TV Tupi, onde participa de vários programas como o Móbile, apresentado por Fernando Faro, e Almoço com as estrelas, de Airton e Lolita Rodrigues. Participa também de vários programas em outras emissoras.

Em 1965, pela Continental Discos, lançou seu segundo LP, Hora de lutar. Nesse disco, inclui Asa branca, de Luis Gonzaga, considerada por ele “um clássico da canção nordestina”, e Sonho de Carnaval, de Chico Buarque de Holanda.

Ainda em 1965, a convite do cineasta Roberto Santos, Vandré compôs a trilha sonora do filme A hora e a vez de Augusto Matraga, sua primeira experiência com o cinema.

Em 1966, ganhou o troféu Berimbau de Ouro ao vencer o II Festival Nacional de Música Popular Brasileira da TV Excelsior, com a música Porta-estandarte.
Uma marcha-rancho, composta com Fernando Lona e defendida na final do festival por Airto Moreira, um dos mais competentes bateristas da noite paulista, e Tuca, uma cantora paulista que participava freqüentemente do programa Primeira audição, da Rede Record.

Pela primeira vez Vandré viu seu talento ser reconhecido publicamente.

Ainda em junho de 1966, a gravadora Chantecler lançou um compacto com a gravação de Porta-estandarte, com Tuca e Geraldo Vandré. Nesse mesmo ano, grava ainda outro compacto, dessa vez com Théo de Barros e Heraldo do Monte.
 

Lançou, pela Som Maior, seu terceiro LP, Cinco anos de canção. Cada vez mais no ambiente dos festivais, em 1966, com sua música "Disparada", interpretada por Jair Rodrigues, Vandré empatou em primeiro lugar com "A Banda" de Chico Buarque no Festival da TV Record.
No ano de 1968 "Caminhando (Pra Não Dizer que Não Falei de Flores)" conquista o segundo lugar no festival da TV Globo, apesar de ser favorita do público, perdendo para "Sabiá" (Chico Buarque/ Tom Jobim). Com a promulgação do AI-5 e o acirramento da ditadura, saiu do páis, e morou no Chile, França, Argélia, Alemanha, Áustria, Grécia e Bulgária nos 4 anos que ficou fora do Brasil.
 
Vandré tornou-se uma espécie de "mito" da resistência à ditadura, por ter ficado sem fazer shows no Brasil desde 1968. Apresentou-se no Paraguai em 1982 e 1985, rompendo mais de uma década de silêncio.
Mais tarde compôs "Fabiana" em homenagem à FAB (Força Aérea Brasileira). Nos anos 90 foram lançadas coletâneas com obras suas.
 
Muitos, porém, acreditam que Vandré tenha enlouquecido por causa de supostas torturas que ele teria sofrido pelo governo militar. Em entrevista no ano de 2010 essas especulações foram desmentidas pelo cantor, dizendo que só não se apresenta mais porque sua imagem de "Che Guevara Cantor" abafa sua obra.
 
Discografia
  • 1964: Geraldo Vandré (álbum)
  • 1965: Hora de Lutar
  • 1966: 5 Anos de Canção
  • 1968: Canto Geral
  • 1969: Geraldo Vandré no Chile
  • 1973: Das Terras de Benvirá
  • 1985: Fabiana

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

O Rei do Soul Barry White!!!


  


Barrence Eugene Carter, mais conhecido como Barry White nasceu no dia 12 de setembro de 1944, em Galveston, Texas (E.U.A.).
 
Criança de rua, ele cresceu sem educação e acabou na prisão aos dezessete anos por roubo.
Lá, ele decidiu dar um novo rumo em sua vida ao descobrir a música e, especialmente, de cantar.
Na saída da prisão, ele se tornou um cantor em várias bandas e compôs suas primeiras músicas para outros cantores.
 
Ele se concentrou no trabalho de produção com o grupo feminino Love Unlimited Orchestra "no final dos anos sessenta.
 
No entanto, em 1973, ele decidiu assumir a vocação de ser um exímio cantor. Este foi o começo de um enorme sucesso de Barry White, com sua bela voz, e sua alma romântica.
Barry teve grandes sucessos, "Can't Get Enough Of Your Love, Babe" (1974), "You're The First, The Last, My Everything" (1975), "Let The Music Play" (1976).
 
Apesar de sua brilhante carreira, ele foi ofuscado um pouco durante os anos oitenta, porém muito forte no meio dos anos noventa, o que lhe rendeu prêmios importantes. 
 
No ano 2000 ganhou dois prêmios Grammy nos quesitos de melhor música tradicional e R&B por Staying Power.
 
Problemas de pressão arterial elevada, obrigou a reduzir sua carreira em 2002, enquanto aguardavam um transplante de rim que nunca chegou, Barry White faleceu no dia 04 de julho de 2003, deixando nove crianças órfãs, e milhares de fãs que sempre será o rei da soul music.

O seu corpo foi cremado e as suas cinzas foram atiradas ao Oceano Pacífico, na costa californiana.

Discografia
  • I've Got So Much to Give (1973)
  • Stone Gon' (1973)
  • Can't Get Enough
  • Just Another Way to Say I Love You
  • Let the Music Play (1976)
  • Is This Whatcha Wont? (1976)
  • Barry White Sings for Someone You Love (1977)
  • The Man (1978)
  • The Message Is Love (1979)
  • I Love to Sing the Songs I Sing (1979)
  • Sheet Music (1980)
  • Beware! (1981)
  • Change (1982)
  • Dedicated (1983)
  • The Right Night & Barry White (1987)
  • The Man Is Back! (1989)
  • Put Me in Your Mix (1991)
  • The Icon Is Love (1994)
  • Staying Power (1999)

                

terça-feira, 11 de setembro de 2012

A Lenda do Reggae Peter Tosh!!!


                  
Winston Hubert McIntosh, mais conhecido no mundo como Peter Tosh, nasceu em 9 de outubro de 1944 em Westmoreland, Jamaica.

Pouco se sabe sobre os primeiros anos de Peter, outras que ele foi criado por sua tia em Savanna La Mar, antes de passar para Denham Town, Kingston, em 1956, e depois para Trenchtown, quando ele tinha 15 anos.

Foi em Trenchtown que Peter se encontrou com Bob Marley e Bunny Wailer, dois jovens do país, que estavam aspirando a tornar-se músicos.
Peter juntou-se com os seus ensaios no quintal Joe Higgs, e logo ficou claro que ele era um excelente guitarrista.

Os meninos, eventualmente, nomearam-se os Wailers, e depois de recrutar três novos membros, Junior Braithwaite, Beverley Kelso e Cherry Green, que passou de uma audição para o produtor Clement "Coxson" Dodd, logo depois de desfrutar de uma série de sucessos locais.

Embora o nome de Bob Marley mais tarde se tornou sinônimo dos Wailers, Peter Tosh e Bunny Wailer foram definitivamente iguais com Marley na banda.
Tosh contribuiu em muitos dos sucessos da Banda, como por exemplo: "400 Years", "Get Up, Stand Up", "No Sympathy", e "Stop That Train".


Sua guitarra hábil e habilidades vocais também foram fundamentais para o som da banda.

Peter Tosh foi conhecido como um homem sarcástico, e um pouco irritado.


Em contraste com o olhar idealista de Bob Marley para o mundo, e seu objetivo de espalhar a mensagem de amor, Peter Tosh se via como um revolucionário, e foi veemente em seus esforços para derrubar "Babilônia".



Peter Tosh começou a gravar discos solo enquanto tocava com os Wailers, até 1974, quando o Wailers 'nova gravadora, Island Records, se recusou a lançar seu álbum solo.

Lançou seu primeiro disco solo, Legalize It em 1976.


 

Ele passou a lançar discos de sucesso múltiplos, embora nunca a sua atitude militante tenha encontrado o mesmo nível de aceitação como mensagem mais unificadora que fez Bob Marley.

Em 1977, após as tensões entre várias gangues jamaicanas e membros desonestos do exército jamaicano que atingiu um patamar insuportável, Bob Marley decidiu organizar um concerto chamado de One Love Peace Concert, e convidou muitas das estrelas mais famosas da Jamaica para juntar-se, e Tosh usou sua vez palco para cantar suas canções mais militantes, e falar com raiva contra o governo.


Embora Tosh já era um alvo favorito para a polícia, a partir desse ponto em diante, ele se tornou uma vítima regular de brutalidade.

 
Peter Tosh continuou a gravar discos de sucesso internacionais para o resto da década de 1970 e início de 1980, e nunca abandonou sua mensagem de revolução intensa. 


Em 11 de setembro de 1987 Peter Tosh foi friamente assassinado com um tiro na cabeça, por um conhecido chamado Dennis Leppo Lobban, que chegou em sua casa com mais dois homens querendo dinheiro.
Outras pessoas foram mortas neste dia.
Seu assassino foi condenado a morte, mas conseguiu redução de pena, e está preso até hoje. Os outros dois, foram mortos em brigas de gangues.